quinta-feira, 31 de agosto de 2017

Agroglifos (crop circles, crap circles)

É mais difícil retirar uma ideia implantada, do que implantá-la.
Crop circles no filme Signs (2002)
No que diz respeito a implantações em plantações, fizeram bastante sucesso os chamados "crop circles", ou agroglifos, chegando a ser prática corrente nos últimos 30 ou 40 anos, tendo sido tema do filme "Sinais", em 2002.

A questão é que havendo uma pré-disposição a acreditar, os sinais que apareçam no sentido dessa crença são valorizados, e mesmo que sejam depois desacreditados, isso não significa que sejam desvalorizados, por quem lhes deu valor.

Isso é perfeitamente natural, porque as pessoas ao cometerem-se com uma ideia tornam-se seus fiéis seguidores, despendem tempo e recursos, e não aceitam facilmente que tudo isso seja tornado a nada por uma simples revelação, ou melhor, desvelação.
Acontece assim com religiões, e diversos cultos, que arregimentam muitos seguidores, e que não desaparecem apenas porque se torna óbvio que são simples esquemas de embuste financeiro, mesmo quando as evidências expõem múltiplas fraudes. 

No caso dos crop circles, o assunto é sobejamente conhecido ter sido produzido por uma série de "brincadeiras" em plantações, umas centenas atribuíveis a D. Bower e D. Chorley, desde 1978. Com a publicitação jornalística do fenómeno, as cópias sucederam-se, quase sempre nos mesmos países e em áreas de fácil difusão. Para criarem uma ilusão mais credível, tal como fazem os ilusionistas, os padrões complexificaram-se, mas curiosamente também houve também campanhas publicitárias, usando o mesmo tipo de processos, como num caso da McDonald's - que usou uma plantação de milho no Nebraska, para fazer um anúncio razoavelmente complicado do Mc Café:
Plantação publicitária - "crop circle" da McDonald's no Nebraska (2008)
Bom, e para que não pareça que há ET's a promoverem o café da McDonald's, fica aqui outro link de um outro desenho complexo, feito por amadores numa quinta. Se a princípio, os mais entusiastas ainda tentaram dizer que uns seriam feitos por humanos, mas outros não poderiam ser... com os diversos exemplos, as coisas ficaram bastante mais claras.

Actualmente ainda não há qualquer tecnologia que permita modelar o padrão de uma nuvem, e mantê-la estável durante umas horas... pouco mais se consegue que uns momentâneos coraçõezinhos de amor em nuvens de fumo. Mas, caso a tecnologia surgisse, tanto iria ser aproveitada para encobrir embustes como os crop circles, como depois para descobri-los em manobras publicitárias. Depende muito do que render mais...
Por outro lado, teria sido muito mais eficaz a ET's difundir a sua tecnologia dessa forma (com mensagem complexas inscritas em nuvens), do que dobrar hastes em campos de milho... coisa que, pelo visto, muitos agricultores amadores estão também capacitados para fazer, com similar destreza, mais com recurso a tractores do que a naves espaciais.

Cogumelos que crescem como "anel de fadas".
Doutro tipo de origem, surgem fenómenos naturais, que também levaram a interpretações desviantes, por vezes de origem sobrenatural, como é o caso dos anéis de fadas ("fairy circles").

Ainda que o fenómeno seja estranho, há uma explicação associada a um fungo de cogumelos, que já levou a teorias científicas para explicar a ocorrência, sem recurso a fadas ou diabretes. De qualquer forma, o crescimento numa forma circular razoavelmente perfeita, não deixa de merecer espanto, e uma atenção dos cientistas.




A geografia das montanhas em Alberta (Canadá) fez aparecer
um retrato convincente de um índio no Google Earth.
Finalmente, de entre os chamados fenómenos de pareidolia, mereceu considerável atenção uma imagem satélite, vista no Google Earth, que lembrava o retrato de um índio americano (ver imagem), um pouco na linha da famosa "face marciana", mas neste caso definido pelos contornos das montanhas no estado de Alberta, no Canadá.
Por outro lado, propositadamente construída, apareceu no deserto australiano a figura do Marree Man, que se presume ter sido obra anónima de J. M. Stuart.
Neste caso (tal como no anterior), a passagem do tempo foi degradando de forma apreciável o desenho original.

Um artigo do Daily Mail dava outros exemplos, uns mais notáveis que outros... nomeadamente, podemos ver como o fenómeno publicitário tenta aproveitar este novo tipo de tecnologia, para daí tirar relevo - como no caso do logotipo da KFC, feito em 2006 com uma precisão notável para aparecer no Google Maps.

A sociedade habituou-se a entender que as convicções humanas não são facilmente desmontáveis, e isto não diz respeito apenas às convicções religiosas, ou similares, mas mesmo até no que diz respeito às evidências científicas.
Os Romanos para acomodarem a situação politeísta, aceitavam praticamente todas as religiões, mesmo estrangeiras... era a forma mais fácil de não procurar problemas. Claro que tiveram o problema cristão, que exigia o fim dos culto pagão... mas rapidamente a Igreja, com a destruição de monumentos, perseguições e mortes, declaradas aos infiéis, acabou por acomodar um culto angélico, que permitiu uma outra forma de politeísmo - onde os antigos cultos passaram a ser associados a múltiplos cultos de santos. Na Idade Média seria impensável conviverem na mesma cidade uma igreja, uma mesquita e uma sinagoga, o cristianismo aspirava ainda a ser culto único... algo que com a separação entre igreja e estado, e uma política de tolerância, se tornou impossível de sustentar.
Actualmente, só os mais irredutíveis se dão ao trabalho de querer acabar com outras crenças, e impor a sua. Isso só é feito ao nível da educação escolar, onde a receita é praticamente única.

É muito mais fácil não perder tempo com discussões estéreis, quando não há comunicação, há apenas um elencar de convicções, envoltas numa retórica ardilosa, e deixar cada um seguir a sua convicção, contanto que não a pretenda impor à força aos outros. Depois, tudo redunda num factor económico, de capacidade de publicitar, com mais ou menos sucesso, uma certa ideia. Pretender que as pessoas fazem uma análise racional, e não são condicionadas por convicções irracionais, demonstrada a falsidade ou absurdo, é algo que está tão longe de acontecer hoje, como há milhares de anos atrás.


Sem comentários:

Publicar um comentário